Meu Perfil
BRASIL, Sul, FLORIANOPOLIS, CANASVIEIRAS, Homem, de 56 a 65 anos, Portuguese, Livros, Esportes
MSN -



Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis


 
Blog do Lídio Leopoldo Pinheiro


     O FASCINIO DO PODER

 

O poder é fascinante e conservador. Se pudesse, paralisaria a historia, para ficar com os privilégios eternamente. Ele coloca as pessoas no topo da pirâmide social, e quem está no topo faz de tudo para não sair dele. E numa democracia, para não sair do topo, precisa de muito dinheiro para a próxima campanha eleitoral. Muitos dos que chegam ao poder, quer seja o político quanto o partido, no dia seguinte a posse, já está trabalhando para a próxima campanha eleitoral;  é nesse instante que surge os primeiros atos de corrupção.

É por essa razão que a corrupção parece não ter autor, envolve a maioria dos políticos e dos partidos. Independente de que partido esteja  no comando. Como disse João Figueiredo, em uma entrevista; “em que menos se pensa, quando se está no comando,  é no Brasil, só se pensa em levar vantagens pessoais e de grupos”.

É desalentador ver a guerra  ideológica, entre esquerda e direita, nas redes sociais. O povo brasileiro ama a democracia, já tivemos muitas provas disso. O que o povo não tolera é esse tipo de projeto de poder; uma esquerda que usa a democracia para implantar a ditadura do proletariado e uma a extrema direita que usa a mesma democracia para implantar a ditadura de direita, tendo como objetivo a perpetuação no poder.  O que o povo quer é uma democracia saudável, que permita tanto a esquerda quanto a direita  e partidos de centro se alternarem no poder, tendo sempre como meta o desenvolvimento do país e o bem-estar social de seu povo. Fora disso é pura hipocrisia ideológica.

Por essa razão nunca fui simpático a reeleição, quando um partido fica muito tempo no poder, passa achar que é dono do país e que nunca mais vai sair de seu comando, essa é o pensamento dos que defendem as ditaduras extremistas; e pensando assim, acabam criando castas de corruptos.

O Brasil não será o mesmo depois da operação Lava Jato, que está mostrando a podridão da política brasileira. Se hoje não somos um país desenvolvido e com alto nível de IDH já sabemos a origem. Mas só a Lava Jato sozinha não vai conseguir mudar isso, é preciso que o povo se conscientize e ajude a mudar essa cultura da corrupção, votando melhor e cobrando resultados dos eleitos. É imperativo que o povo se envolva, e fique atento ao comportamento dos detentores do poder, casso contrário a  corrupção, como uma fênix, surgirá das cinzas novamente para jogar todo o trabalho do Ministério Público e Polícia Federal na vala comum. Vamos deixar as ideologias de lado e pensar mais no país em que nascemos e vivemos e que com certeza, deixaremos para nossos filhos e netos.

Lídio Leopoldo Pinheiro

25/03/2017.

 

 

 



Escrito por Léo Pinheiro às 21h38
[] [envie esta mensagem] []



A carne brasileira é certificada internacionalmente, como de excelente qualidade, Mas o brasileiro não tem certificação internacional de honestidade. Esse conflito traz prejuízos enormes ao país.



Escrito por Léo Pinheiro às 10h39
[] [envie esta mensagem] []



É desalentador essa guerra ideológica nas redes sociais entre esquerda e direita. O povo brasileiro ama a democracia, já tivemos muitas provas disso. O que o povo não tolera é uma esquerda que usa a democracia para implantar a ditadura do proletariado e muito menos uma a extrema direita que usa a mesma democracia para implantar a ditadura de direita. O que o povo quer é uma democracia saudável, que permita tanto a esquerda quanto a direita  e partidos de centro se alternarem no poder, tendo sempre como meta o desenvolvimento do país e o bem-estar de seu povo.  Fora disso é pura hipocrisia ideológica.



Escrito por Léo Pinheiro às 14h12
[] [envie esta mensagem] []



O Brasil não será o mesmo depois da operação Lava Jato, que está mostrando a podridão da política brasileira. Se hoje não somos um país desenvolvido e com alto nível de IDH já sabemos a origem. Mas só a Lava Jato sozinha não vai conseguir mudar isso, é preciso que o povo se conscientize e ajude a mudar essa cultura da corrupção, votando melhor e cobrando resultados dos eleitos. Caso o povo não se envolva, a fênix surgirá das cinzas novamente para jogar todo o trabalho do Ministério Público e Polícia Federal no lixo.

 

Publicado no ND 24/03 2017.



Escrito por Léo Pinheiro às 14h05
[] [envie esta mensagem] []



Dia internacional da mulher

A mulher é igual a mãe terra, basta colocar a sementinha que ela se encarrega de produzir os frutos. Só por isso é digna de todo o nosso respeito e admiração. Parabéns pelo dia internacional da mulher, um grande beijo no coração de todas. Sem vocês o mundo e nossos objetivos não fariam sentidos! Parabéns a todas em especial aquela que divide seu dia a dia comigo, minha esposa Cecília!

 

 



Escrito por Léo Pinheiro às 11h35
[] [envie esta mensagem] []



A VIAGEM
Não sabemos de onde viemos, e muito menos para onde vamos; só sabemos que estamos aqui e que um dia vamos partir, não podemos afirmar que vamos retornar nem informar para onde iremos; se para o mesmo lugar de onde viemos ou para outro que também não conhecemos. Só temos a certeza que a viagem continua. Esse direito ninguém pode nos tirar. Sabemos que a terra é pequena demais diante da grandeza do universo que o criador nos proporcionou. Também sabemos que não podemos ficar presos aos poucos planetas conhecidos, há bilhões deles em milhões de galáxias a serem desbravadas. A vida é uma eterna viagem com várias estações de parada para serem conhecidas e onde a evolução espiritual acontece. A viagem continua eternamente, até que tudo seja do conhecimento do espírito humano, para quem o universo foi criado; e para que um dia, possamos chegar ao Mestre e lhe dizer: obrigado Grande Arquiteto do Universo pelas oportunidades concedidas, de conhecermos a vossa maravilhosa obra. 
Lídio Leopoldo Pinheiro.



Escrito por Léo Pinheiro às 12h32
[] [envie esta mensagem] []



Turismo.

Quando teremos um prefeito que apresente um projeto de governo que inclua um programa turístico que contemple os bairros praianos: uma parceria governo e iniciativa privada para trazer cinemas, teatros, casas de diversões, restaurantes e novos hotéis de alta categoria, praças, jardins, melhoria das praias de forma a gerar mais empregos e amenizar a sazonalidade que destrói o comercio local.

Não oferecemos nada aos turistas que nos visitam a não ser praia e sol, coisa natural que não depende de governo. Quando chove os turistas ficam enfornados em seus aposentos, por falta de opção de lazer. Nosso Centro de convenção que despertou  euforia no comercio local, virou um elefante branco.

 

Não dá mais para conviver somente na dependência de dois meses de temporada de verão, improvisos e com o que a natureza nos contemplou. É preciso um modelo de gestão que valorize o turismo, a segunda maior fonte de receita do município. E por muitos anos consecutivos foi a principal receita.



Escrito por Léo Pinheiro às 14h00
[] [envie esta mensagem] []



Lava Jato

Segundo levantamento mais recente elaborado pela Procuradoria Geral da República; desde março de 2014, quando foi deflagrada a primeira fase da Lava Jato, foram realizadas 79 prisões preventivas, 103 prisões temporárias e 179 conduções coercitivas. Durante o período, foram abertos 1.434 procedimentos de investigação e realizadas 730 buscas e apreensões. Segundo o balanço, 79 investigados assinaram acordo de delação premiada.

Os desvios na Petrobrás envolveram pagamento de propina de aproximadamente R$ 6,4 bilhões a ex-diretores da estatal e demais investigados. Por meio de acordos de delação premiada, os procuradores conseguiram a repatriação para o Brasil de R$ 756,9 milhões que estavam depositados fora do país. Além disso, R$3,2 bilhões em bens que estavam em posse dos envolvidos foram bloqueados. O valor total de ressarcimento pedido à justiça pelo Ministério Público  Federal, incluindo multas, é de R$ 38,1 bilhões.

De acordo com levantamento divulgado pelo gabinete do ministro Teori Zavascki, relator dos processos oriundos da operação na corte, foram aceitos cinco denuncias  contra parlamentares,  que vivaram réus na corte. Mais cinco estão prontos para julgamento, e seis inquéritos foram arquivados. Os dados também mostram que 24 dos 25 acordos delação que chegaram à Corte  para homologação do ministro foram aceitos. Apenas uma delação foi remetida a presidência da Casa por problemas processuais.

Cerca de dois anos após o inicio das investigações de pessoas com prerrogativa de foro, o STF (Supremo Tribunal Federal) não condenou nenhum  investigado na Lava Jato.

 



Escrito por Léo Pinheiro às 21h22
[] [envie esta mensagem] []



CANASVIEIRAS

 

Canasvieiras é um bairro planejado, as ruas são largas e delimitam as quadras perfeitas, a praia é formada por uma baia, suas águas são calmas e quentes, sem formação de buracos, por isso até crianças podem entrar no mar sem perigo. Isso é a maior atração ao turismo familiar e faz o diferencial do bairro.
Pena que tem muitos comerciantes, que deveriam cuidar do bairro, são os que mais o descaracterizam, montando pontos comerciais que são verdadeiros cortiços que só contribuem para denegrir a imagem do bairro. E imobiliárias que também não prezam por isso, querem alugar e receber o aluguel, o que o cara faz com o imóvel alugado não é problema deles. 
O comércio precisa despertar para esses detalhes, porque deles depende a sobrevivência de todos. A prefeitura e os órgãos de fiscalização: como vigilância sanitária, e outros também precisam fazer sua parte antes que seja tarde demais.



Escrito por Léo Pinheiro às 21h18
[] [envie esta mensagem] []



UMA SOCIEDADE EM CONFLITO

Em todos os casos temos o fim duma cultura, graças a uma complexa sociedade denominada “civilização”: o domínio da aristocracia culta pela burguesia endinheirada; a concentração do poder político, social e econômico em vastas cidades metrópoles, as quais sugam todo o plasma vital do campo e reduzem-no à esterilidade urbana; a substituição da qualidade pela quantidade, do bom gosto pelo exibicionismo, da beleza pela utilidade, da  cultura pela riqueza;  o triunfo do materialismo e da ciência sobre a religião e a arte, a desintegração da arte em modas, manias, luxúrias, bizarrices; a áspera procura de novos estimulantes estéticos que excitem a consciência jovem; o levante das classes baixas contra a corrupção e desmando na administração pública; da exaustão do mundo da comunicação comprometida com o poder e de novas religiões como meio de fuga à realidade e consolo; a expansão do luxo e do vício, com enfraquecimento do corpo e do caráter moral, a troca do desenvolvimento intelectual pelo culto ao corpo físico; tornando a nação incapaz de autodefesa; a extinção da força espiritual criadora; a decadência da família e da igreja como fontes de tradição e preparo moral; a esterilidade dos inteligentes e intelectuais, a multiplicação da massa alienada, isto é, de copiosas massas metropolitanas que flutuam tão impotentes quanto inoperantes, sofrendo o efeito “manada”, o lento emergir em plena civilização das condições humanas primitivas; a tentação da desordem nos jovens, o desejo da ostentação, sequiosos de pilhagem; o fim!

Será que o que queremos para hoje se sustentará  no futuro, e o que consideramos ideal para o futuro corresponderá os objetivos da nova geração,  quando a mesma assumir o comando da nação? Como serão as sociedades do futuro, e o que dirão da nossa sociedade atual? Será que o frágil legado moral que estamos deixando aos jovens, superará o legado da corrupção que impotentes, não conseguimos corrigir? Como seremos lembrados; como a geração mais corrupta do país, que ao invés de se preocupar com o futuro da nação a colocou na maior crise econômica e social da história; ou esse descaso continuará se reproduzindo como herança maldita deixada por nos? E com as mesmas desculpas de hoje, a corrupção permanecerá porque não começou nesse governo, se outros fizeram e não foram condenados por isso, por que não podemos fazer agora? Não estaremos aqui pra ver, mas pelos exemplos deixados,  tudo indica que se passarão muitas gerações até que esse país se torne uma nação civilizada em todos os sentidos.

 

 

 



Escrito por Léo Pinheiro às 18h32
[] [envie esta mensagem] []



CAMISA VERMELHA

Outro dia precisei comprar uma camiseta regata, o calor estava insuportável para usar camisa de manga. Fui até a loja de um amigo petista roxo, daqueles que arruma desculpa para todos os mal feitos do PT.

Entrei na loja, e uma de suas funcionárias veio me atender, ele estava atrás da caixa, não o vi, escolhi uma camiseta regata vermelha. Foi quando ele se mostrou e veio logo com suas piadinhas  própria de petista: Não acredito que vou ver a cor do dinheiro de um “coxinha”, e gargalhou...e continuou no tom de gozação: fala mal dos comunistas, dos petistas, e do vermelho e vem comprar uma camisa vermelha? Eu sempre desconfiei que você era um petista  disfarçado,  kkkkk.

Calmamente, e em tom sorridente, respondi: você tem cinco lojas espalhadas pela ilha, mas eu é que sou coxinha? Eu adoro a cor vermelha amigo, já tive 2 carros vermelhos, tenho camisa vermelha, bermudas e até tênis vermelho; o que eu não gosto cara, é da ideologia vermelha, entendesse? Gargalhando, saiu do balcão e veio me dar um abraço, e brincando disse: não vou te dar a camiseta de presente porque você faz muita gozação do meu partido, mas vamos ao bar do amigo Chico aqui na frente que vou te pagar um café. E fomos, tomamos café, conversamos sobre os negócios, família etc., menos de política.

Por que estou descrevendo isso? Para mostrar a vocês que o fato da gente divergir no campo das idéias, não  é motivo para nos tornarmos inimigos, aliás, os políticos eleitos fazem isso com muita propriedade. Estamos cansados de ver políticos oposicionistas darem entrevistas juntos a um mesmo repórter, divergirem completamente sobre o assunto questionado pelo repórter e no fim, saírem juntos conversando para o bar do congresso para saborearem um cafezinho pago por nós.

E nem poderia ser diferente: políticos não são inimigos, são adversários partidários; a final, estamos todos de passagem por esse planeta terra. E o que levamos dele são as amizades que fazemos e o conhecimento que adquirimos. Quem duvida que num determinado tempo não estejamos, junto no outro lada da vida, batendo um papa sobre nossa passagem pela terra, questionando as besteiras que fizemos, os momentos de arrogância,  da intolerância e do mal que fizemos aos nossos irmãos, do orgulho “besta”, de acharmos que somos melhores que os outros, só porque tivemos um poder aquisitivo melhor, a oportunidade de estudar em boas escolas, por termos nascido em famílias mas abastardas etc. Quem sabe não estaremos renovando nossas promessas aos nossos mentores espirituais; que se tivermos uma nova chance de voltarmos a terra, faremos tudo diferente, seremos mais generosos, compreensivo, tolerantes, respeitando as divergências, e ainda nos comprometendo de construímos um mundo melhor para todos e transformar a terra num lugar de convivência pacífica, amorosa e igualitária. Para quem acredita que a vida continua alem do corpo físico essa reflexão pode ser válida.

 




Escrito por Léo Pinheiro às 13h46
[] [envie esta mensagem] []



IMPRENSA

Recentemente Alexandre Garcia, do Globo News, comentando as eleições para presidente dos EUA disse que toda a imprensa americana, trabalhou abertamente para eleger Hillary Clinton, mas o eleito foi Donald Trump. Acrescentou  que a imprensa, não só a americana, mais a mundial, inclusive a nossa, claro; precisa aprender que  ela não domina e não manda no povo.  Que esse negócio de dirigir as massas está ficando desacreditado.

É verdade, o povo não precisa da imprensa escrita e falada para se instruir, nesse quesito as redes sociais são muito mais eficientes. Ela está com as pessoas cotidianamente, em casa, no caminho para o trabalho, no próprio trabalho, na praia, nos clubes. São mais confiáveis  mais rápidas e permitem  até o diálogo instantâneo com quem emite opinião, coisa que a imprensa tradicional não permite o direito instantânea de resposta. Essa facilidade está deixando os fazedores de cabeças apavorados, não é por acaso que de vez enquanto surgem políticos com ameaças de censurar as redes sociais.

A mídia tradicional se não se modernizar e se conscientizar que ela já não pode mais manipular as massas, corre o risco de perder mercado, até o mercado publicitário que lhe alimenta. As pessoas estão deixando de assistir TV e ler jornais, revistas e blogs, que demonstram, sem nenhum pudor, ser imparciais, e suas tendências políticas e seus interesses particulares.



Escrito por Léo Pinheiro às 20h51
[] [envie esta mensagem] []



A CARIDADE

 

Fora da caridade não há ambiente para o verdadeiro Amor, mas a verdadeira caridade igualmente não se expressa sem o ato amoroso que se irradia do coração para todas as frentes de trabalho onde o Bem é a meta dos sentimentos.

Nada se faz de graça para os outros. É tolice  achar que as pessoas caridosas fazem tudo sem pensar em recompensa. O caridoso tem um olho na terra e outro no céu, O   brilho nos olhos e o sorriso nos lábios nas pessoas que recebem a caridade, nos dá uma tremenda satisfação que corresponde em dobro o valor da dádiva ofertada.  São essas coisas que nos proporcionam prazer que nos tornam felizes; e nos dá a recompensa e a esperança de alcançar a dádiva de um mundo melhor além-túmulo. Essa esperança que nos faz continuar a praticar o bem a nossos irmãos.

Como é tolice achar que  recompensa é tudo aquilo que só vem através de bens materiais. Os valores materiais são importantes para que se possam fazer mais caridades e com isso buscarmos o prazer de servir. Mas, eles não são a única fonte de prazer e de felicidade. Porque felicidade é um estado de espírito e não o desejo desenfreado de possuir bens materiais.

Conheço muita gente rica em bens materiais que são verdadeiros avarentos, que vivem como pobre com medo de ficar pobre e jamais estende as mãos para auxiliar alguém. Professam que tudo o que possuem é fruto do seu próprio trabalho e que quiser ter que faça o mesmo.

A política é um excelente caminho para se praticar o bem, é através dela e de sua organização social, que teremos maiores oportunidades de ajudarmos as pessoas e a nós mesmos, contribuindo mais decisivamente com a qualidade de vida de nossa gente, especificamente as que vivem a margem do sistema.

Entendo que fazer política é contribuir para a inclusão social; é um ato de amor. Política é coisa séria, nós é que não levamos a política a sério quando escolhemos nossos candidatos a cargos eletivos.

Dizer que o poder corrompe é outra tolice popular. O poder não corrompe ninguém, apenas revela caráter.

O corrupto existe tanto no poder como fora dele; porque a corrupção faz parte da personalidade doentia do corrupto, é um desvio moral. Corrupto declarado ou não sempre será corrupto, é incorrigível. Honesto sempre será honesto, porque tem responsabilidade com sua formação moral, com o dever social e o prazer de trabalhar pelo bem de seu povo e de sua terra; além da consciência de que nada levará desse mundo à não ser os conhecimentos adquiridos e o bem praticado em sua passagem por esse planeta terra.

 

Lídio Pinheiro



http://blog.i.uol.com.br/mdl/4dot_s7.gif



Escrito por Léo Pinheiro às 23h06
[] [envie esta mensagem] []



CRISE ECONÔMICA

 

O Brasil foi o país que mais cresceu no período pós-revolução de trinta até a década de 1980. Somente a partir do final do governo militar até 1995, a economia tomou rumos inversos ao crescimento entrando numa tremenda crise econômica e desequilíbrio inflacionário. A inflação nesse período pós-militar, chegou ao patamar de 75% ao mês, 900% ao ano. O desabastecimento foi inevitável. Pessoas faziam filas nos supermercados para comprar sal, açúcar, carnes e frangos; antes que acabasse o estoque, e a correria nos supermercados era grande, não só atrás dos produtos, mas para passar a frente também,  do remarcador de preços com suas maquininhas de remarcar. o frango chegou a ser vendidos em partes, era impossível para o pobre comprar um frango inteiro, os mais bem assalariados podiam comprar coxas e peito de frango, (é possível que os coxinhas vem desse período) os que ganhavam menos compravam as carcaças do frango, sim meus amigos, carcaças de frango. Foi um período doloroso! Depois de vários planos econômicos frustrados implantados pelos governos pós-militares. Surgiu no governo FHC o plano Real, que apesar das críticas da oposição, levantou a credibilidade do país e trouxe de volta os investimentos estrangeiros, o reabastecimento do mercado e  o fim da inflação, e colocou o país nos eixos;   reabilitando e estabilizando  a economia.

O mais difícil para o FHC, alem do combate a corrupção, foi enfrentar a cultura do aumento mensal de salários, principalmente do funcionalismo público, com os salários congelados, em função do grande aumento  de compra que os salários obtiveram com a troca de moeda. Mas os sindicatos fiaram sem função por oito anos, e precisavam justificar sua existência, e  o jeito foi apelar para a máxima socialista de destruir reputação, até que chegassem ao poder através de Lula.

Quando o Lula foi eleito começou a colher os frutos do plano Real, empolgado com o sucesso, ao invés de aproveitar para fazer investimento na infraestrutura do país, já sucateada, se encheu de vaidade e só queria viajar pelo mundo divulgando ser o melhor presidente do mundo, investindo bilhões em países vizinhos: como Cuba, Venezuela, Bolívia, Argentina, Equador, Angola e perdoando dívidas de países africanos. Passou o governo para sua parceira Dilma Rousseff, um país combalido, dando os primeiros sinais de desaceleração do crescimento com a queda do PIB; desestruturado, com altas taxas de juros, com a queda das commodities, o governo Dilma, para ajustar o nível de atividade econômica, manteve a expansão do credito e ajudou o setor produtivo com isenções fiscais. Essas medidas não foram suficientes para dinamizar o Crescimento produtivo (PIB), a baixa arrecadação  associada a o alto nível de corrupção no governo e estatais, fez explodir em 2015, a maior crise econômica da nossa história; dando origem ao  impeachment da presidenta Dilma.



Escrito por Léo Pinheiro às 00h02
[] [envie esta mensagem] []



PEC 241 Agora no Senado,  PEC-55

É consenso entre os analistas econômicos que a questão fiscal passa por maior  rigor na administração das finanças públicas. O Estado perdulário, gastador, tem que ser substituído  por um sistema baseado no planejamento estratégico e na eficácia da aplicação dos recursos públicos.

O Brasil tem sido vítima de governos perdulários, que sempre gastaram mais do que arrecadaram  sem eleger prioridades que alavancasse o desenvolvimento sustentável; e o resultado está aí: uma dívida interna e externa gigantesca, E o  porquê dessa dívida? Quando o governo gasta mais do que arrecada, precisa pedir dinheiro emprestado para cobrir o déficit, e para que consiga instituições financeiras disposta a emprestar, o governo aumenta os juros. E aumentando os juros gera inflação e com isso toda a população paga a conta nos produtos que compra. Como o governo não para de gastar, a dívida vai aumentando, os juros subindo, e por fim o governo já não paga mais a dívida, somente os juros da mesma, e com isso a  inflação vai se agigantando e a crise econômica se torna  inevitável; como a que estamos vivendo hoje. Nosso sistema de saúde, educação e segurança estão  falidos, infraestrutura sucateada que impedem o crescimento do país. E nós nos perguntando onde foram parar os quase 50%  dos nossos rendimentos pagos em impostos para o governo?

Justificar os protestos contra a PEC 241 alegando que ela vai tirar dinheiro da educação e da saúde é balela,  mesmo por que ela não tira  a possibilidade do gestor alocar recursos de uma área menos prioritária para essas áreas. Além do que não há como piorar essas áreas de fundamentais  importância social, é só olhar os índices que analisam a nossa educação, saúde e segurança, que os colocam como os piores entre os países emergentes. Não foi por falta de recursos, e nem existia mecanismo legal que impedisse o governo de investir nessas áreas!

As reformas precisam ser feitas, se vão dar resultados, só o tempo dirá. Se não der, mudam-se as leis. Para isso existe o Congresso Nacional; é preciso testar novas alternativas, novos modelos de gestão, da forma como está não pode ficar. É preciso colocar limites nos gastos públicos. Isso serve também para inibir a corrupção e os superfaturamentos em obras públicas. Não podemos nos sensibilizar com protestos e invasões escolares, que são conhecidamente de cunho ideológicos, descompromissadas com a realidade vivenciada pelo país.

Lídio Leopoldo Pinheiro.

ADM e Pedagogo.

Fpolis, 20 de novembro de 2016.

 



Escrito por Léo Pinheiro às 23h59
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]